segunda-feira, 15 de junho de 2009

Resumindo o Pensamento de Thomas Hobbes

Hobbes dizia que o homem, em seu estado natural era vil, ambicioso, instintivo e egoísta - "o homem é o lobo do homem". Sendo assim, viveriam em uma guerra de "todos contra todos". O filósofo define o Estado como "um mal necessário", e esse "mal" tem a função de organizar o caos através do "homem artificial", assim como o monstro Leviatã. Abrimos mão, então, de nossa liberdade "natural" em nome de um contrato social para viver algo organizado e, juntamente com a filosofia, possamos viver em paz.
Para tal autor, para que o contrato social seja cumprido, o Estado deve ser forte, centralizado. Se o Estado fosse liberal, os homens seriam igualmente ambiciosos, havendo conflitos. Havendo liberdade, a violência contida na natureza humana seria liberta, voltando ao caos inicial.
Hobbes utiliza o "medo hiperbólico" e uma metáfora quando se diz o "irmão gêmeo" do medo, ou seja, se diz a esperança.





Maria Deungaro

10 comentários:

  1. Por isso Hobbes é um contratualista.
    Que tal uma ilustração de Hobbes? Busque no google imagem.
    Voltarei para ver como ficou o post com a imagem.
    Divulguem o blog para mais pessoas.
    Vocês merecem audiência!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Só teria uma pergunta a fazer a Hobbes: onde ou como acaba a esperança? "que todo homem deve esforçar-se pela paz, na medida em que tenha esperança de consegui-la, e caso não a consiga pode procurar e usar todas as ajudas e vontades da guerra." será ela a ficção necessária para se cultivar a soberania de um Estado? será ela fruto de uma imaginação, a qual o próprio Hobbes alerta os seus perigos? e mais, e mais, e mais ...

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. O CONTRATO SOCIAL AINDA HOJÉ.
    Uma resposta aos autos.

    Sabemos que é explícito, a vontate de termos esperança e uma sociedade mais justa, sabemos também que o contrato social que vivemos é cheio de controvérsia, e com certeza, viveremos este até o fim de nossas vidas, este sempre tera sentido desde a época de Thomas Hobbes, e, mesmo assim, viveremos sempre em conflito e atrás de esperança.
    O homem sempre será o lobo do homem, sempre teremos diferêncas e conflitos.
    Portanto viveremos e viveremos.A vida é uma esperança.

    ResponderExcluir
  5. muito bom broderrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Muito boa matéria me ajudou bastante, espero que tenha ajudado à mais pessoas também. Obrigada !

    ResponderExcluir
  8. "Só teria uma pergunta a fazer a Hobbes: onde ou como acaba a esperança? "que todo homem deve esforçar-se pela paz, na medida em que tenha esperança de consegui-la, e caso não a consiga pode procurar e usar todas as ajudas e vontades da guerra." será ela a ficção necessária para se cultivar a soberania de um Estado? será ela fruto de uma imaginação, a qual o próprio Hobbes alerta os seus perigos? e mais, e mais, e mais ..."

    isso fez eu refletir sobre um novo ponto de vista. Ótimo
    questionamento!

    ResponderExcluir